• Home
  • Blog
  • SNGPC de volta em 2024? Confira as novidades
Nosso Blog
22/05/2024

SNGPC de volta em 2024? Confira as novidades

SNGPC em 2024
Guia de Conteúdo

Em 2024, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se prepara para um importante marco na gestão de medicamentos controlados no Brasil: o relançamento de uma versão de testes do Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC). Esta iniciativa promete trazer significativas inovações e melhorias, visando aumentar a eficácia no controle e monitoramento de medicamentos de controle especial, como anorexígenos, antibióticos e antidepressivos. Neste primeiro momento, os estados contemplados pelo teste serão São Paulo e Brasília. Mas isso já é um sinal da volta do retorno a nível nacional da solução.

O que é o SNGPC?

O SNGPC é um sistema informatizado que tem como objetivo principal assegurar um rigoroso controle sobre a comercialização de medicamentos de controle especial. Este sistema permite estabelecer um vínculo rastreável que vai desde a fabricação dos medicamentos até o consumidor final. Através do SNGPC, a Anvisa consegue monitorar, em tempo real, a distribuição e o consumo desses produtos, garantindo maior segurança para a população e combatendo o uso indevido e o tráfico de substâncias controladas.

Leia nosso artigo completo “O que é SNGPC” e saiba mais.

A nota da Anvisa em 2024:

 

Orientações aos testes unitários para avaliação da estabilidade do SNGPC

 

Destina-se a todas as farmácias, inclusive aquelas com manipulação do Distrito Federal e estado de São Paulo.

Os testes serão iniciados em 01/06/2024. Duração da etapa: 2 (dois) meses.

Forma de contato: Canal de Atendimento da ANVISA Fale Conosco: antigo.anvisa.gov.br/fale-conosco. Nesta fase de testes, as demandas não serão respondidas individualmente, pois serão analisadas de forma coletiva periodicamente. Caso haja algum erro que impeça totalmente a participação nos testes, deve-se entrar em contato com as associações e Conselhos regionais
que estão apoiando as atividades (Abrafarma, Anfarmag, CRF-DF ou CRF-SP).

A Anvisa solicita que as empresas indicadas realizem as etapas de FINALIZAÇÃO DE INVENTÁRIO, ASSOCIAÇÃO DE NOVO RESPONSÁVEL TÉCNICO, ENVIO DE XML-INVENTÁRIO e ENVIO DE XML-MOVIMENTAÇÃO.

PROCEDIMENTO INICIAL – CADASTRO DE EMPRESAS

Participantes: Responsável Técnico e Responsável Legal

O cadastramento de empresas é o primeiro passo para se ter acesso aos serviços da Anvisa, tais como Peticionamento Eletrônico, SNGPC, Parlatório ou Notivisa. Nesse sentido, as empresas privadas que fornecem produtos ou serviços passíveis de regulação, fiscalização ou inspeção sanitária pela Anvisa e/ou pelas Visas Estaduais e Municipais devem cadastrar-se na Anvisa como Empresas Privadas.

O cadastramento de Empresas Privadas na Anvisa é feito por meio do Sistema de Cadastramento de Empresas e o cadastro e gerenciamento de usuários pelo Sistema de Segurança.

Além de permitir o cadastro da empresa, o sistema solicita também o cadastro de usuários vinculados à empresa, que serão os responsáveis pelo acesso aos demais sistemas da Anvisa.

Esses usuários podem ser cadastrados nos seguintes perfis: responsável legal, responsável técnico, representante legal, usuário regulatório de petição e gestor de segurança.

Observar as instruções no link: https://www.gov.br/anvisa/pt-br/sistemas/cadastros/cadastrode-empresas/passo-a-passo-cadastro-de-empresa-2023-03-27.pdf

PROCEDIMENTO 1 – TESTE PARA FINALIZAÇÃO DE INVENTÁRIO PARA AJUSTE

 

Participantes: Responsável Técnico e Responsável Legal.

Caso o estabelecimento ainda esteja com inventário em andamento e com acesso por meio do login do Responsável Técnico (RT) atualmente associado ao SNGPC, será necessário que o RT faça login em seu perfil para acessar a funcionalidade “Finalizar Inventário”, localizada no menu da esquerda, no site do SNGPC.

Neste teste, deve-se utilizar a opção “ajuste” para finalização de inventário e inserir a seguinte justificativa “Conforme orientação da Anvisa, esta finalização de inventário está sendo realizada em decorrência de testes para retomada do uso do SNGPC”.

O teste objetiva avaliar o acesso por parte do RT ou do Responsável Legal (RL), bem como a disponibilidade da funcionalidade “Finalizar Inventário” e eventual lentidão ao utilizá-la.

Destacamos que a Anvisa está ciente de que o período de instabilidade pode ter gerado impactos no cálculo do quantitativo do estoque dos estabelecimentos. Por isso, não haverá prejuízos caso o quantitativo do site do SNGPC, no momento do encerramento, seja divergente do estoque físico do estabelecimento, desde que atendidas às previsões da RDC 586/2021.

Na hipótese de o estabelecimento não possuir acesso por meio do login do RT associado, ou caso o inventário encontre-se finalizado, deve-se seguir para o segundo teste (item 2) deste documento.

Exemplos de casos de erros a serem reportados à Anvisa: indisponibilidade no login do RT, indisponibilidade no login do RL, ausência da funcionalidade “Finalizar Inventário”, erro após finalizar inventário.

PROCEDIMENTO 2 – TESTE PARA ASSOCIAÇÃO DE NOVO FARMACÊUTICO RESPONSÁVEL TÉCNICO (RT)

 

Participantes: Responsável Legal


O RL deverá fazer login e prosseguir com a troca de RT. O farmacêutico responsável técnico a ser associado deve ser um farmacêutico, com CRF, já cadastrado na Ferramenta de Cadastro da Anvisa. Destacamos que apenas os profissionais com CRF cadastrados deverão constar na lista de opções de Responsáveis Técnicos para associação no SNGPC.

Caso o inventário não possa ser finalizado de forma anterior à troca de RT, devido à impossibilidade de acesso pelo login do RT associado, o RL deve prosseguir com a troca de RT, que acarretará finalização automática do inventário.

Neste teste, o RL deverá avaliar o acesso ao SNGPC, a disponibilidade da funcionalidade para “Associar novo RT” e a efetividade da ação. Após a troca, deve-se avaliar se a associação foi processada com sucesso por meio dos dados da funcionalidade “Dados de Empresa”.

Destacamos que, após a troca de RT, o RL deve consultar a funcionalidade “Dados de Empresa” e verificar, especificamente, se o novo RT associado é o único RT cujo nome estará em negrito na lista da funcionalidade.

Por fim, informamos que essa etapa de associação de novo RT deverá ser realizada pelo RL, mesmo que a empresa deseje permanecer com o atual RT associado. Para esse caso, o RL deverá realizar uma troca teste, a fim de validar a funcionalidade e, em seguida, poderá proceder com nova troca de RT, de forma a associar novamente o primeiro RT.

Exemplo: Antes do período de teste, a RT associada é a senhora Maria Silva. O estabelecimento deseja permanecer com a Maria Silva como RT. No entanto, por se tratar de período de teste, o RL deverá associar um novo RT, seguindo os passos informados anteriormente. Assim, associará um novo RT e irá verificar, na funcionalidade “Dados de Empresa”, se o novo RT associado é o único RT cujo nome estará em negrito na lista da funcionalidade. Após a verificação, poderá associar novamente a RT Maria Silva, consultar a funcionalidade “Dados de Empresa” e prosseguir com os testes.

Exemplos de casos de erros a serem reportados à Anvisa: indisponibilidade no login do RT, indisponibilidade no login do RL, indisponibilidade da funcionalidade “Associar novo RT”, ausência do RT cadastrado corretamente na lista de pessoas para associação, erros no momento da associação, mais de um RT em negrito, na funcionalidade “Dados de Empresa”, após a associação.

PROCEDIMENTO 3 – TESTE PARA ENVIO DE XML-INVENTÁRIO

 

Participantes: Responsável Técnico


Após associação de novo RT, deve-se enviar um XML-Inventário que represente o estoque real do estabelecimento.

O arquivo XML deverá conter a data da contagem do estoque. Essa data deverá ser, no mínimo, igual à data do início do período de teste e posterior à data de finalização do inventário.

Neste teste, a equipe deverá verificar se o XML foi preenchido de forma correta e se ele foi recebido pelo banco de dados.

Após o envio, deve-se consultar a funcionalidade “Status de Transmissão” para conferir se houve registro único do Hash Identificação enviado. É por meio dessa funcionalidade que o RT irá acompanhar a validação do XML-Inventário. No momento em que a validação ocorrer, a data e hora do processamento ficarão registradas na coluna “Data Validação” e a palavra “SIM” aparecerá na coluna “Validação Executada?”.

Caso o XML seja recusado, a palavra “NÃO” irá aparecer na coluna “Foi aceito?”. Nesse caso, o RT deverá avaliar os motivos da recusa, que estarão listados abaixo do XML. Na hipótese de que o XML seja recusado por motivo indevido, deve-se entrar em contato imediatamente com a Anvisa, caso o erro não se justifique.
Na hipótese de recusa do XML, o RT deverá avaliar se o(s) motivo(s) de recusa estão corretos ou se pode se tratar de erro. A título de exemplo, são motivos legítimos de recusa de XML Inventário: data informada no XML anterior à data da finalização do inventário, CNPJ equivocado do estabelecimento, CNPJ equivocado do distribuidor, número do registro MS de medicamento que não está registrado na Anvisa ou código DCB inexistente.

É importante atentar para o período de intervalo entre o envio do XML e o preenchimento das colunas “Data Validação” e “Foi aceito?”, de forma que não seja superior a 24h.

Não obstante, neste teste, o RT precisará validar os dados que serão disponibilizados, após aceitação do XML-Inventário, na funcionalidade “Histórico de Inventários”. Ele deverá verificar a data preenchida para início do inventário, o nome do RT, seu CRF e os quantitativos informados pela funcionalidade, disponibilizados ao clicar sobre a data do início do inventário.

Por fim, neste teste, deve-se validar também o quantitativo disponibilizado por meio da funcionalidade “Histórico de Movimentação”, para cada registro MS escriturado no XML Inventário.

Exemplos de casos de erros a serem reportados à Anvisa: indisponibilidade no login do RT, indisponibilidade no login do RL, ausência da funcionalidade “Enviar arquivo”, Hash Identificação duplicado na funcionalidade “Status de Transmissão”, recusas indevidas de arquivo XML, lentidão na validação de um arquivo, recusa de XML com registro das movimentações informadas, erros de contagem dos quantitativos nas funcionalidades “Histórico de inventários” e “Histórico de Movimentação”.

PROCEDIMENTO 4 – TESTE PARA ENVIO DE XML – MOVIMENTAÇÃO

 

Participantes: Responsável Técnico


No dia seguinte à data de envio do XML-Inventário, o RT poderá iniciar as transmissões de arquivos XML-Movimentação. As movimentações de medicamentos controlados (Portaria SVS/MS 344/98) e antimicrobianos (RDC 471/2020) podem ser agrupadas em XML de até sete dias.
Neste teste, a equipe deverá verificar se o XML foi preenchido de forma correta e se foi recebido pelo banco de dados. Após o envio, deve-se consultar a funcionalidade “Status de Transmissão” para conferir se houve registro único do Hash-Identificação enviado. É por meio dessa funcionalidade que o RT irá acompanhar a validação do XML-Inventário. No momento em que a validação ocorrer, a data e hora do processamento ficarão registradas na coluna “Data Validação” e a palavra “SIM” aparecerá na coluna “Validação Executada?”.
Caso o XML seja recusado, a palavra “NÃO” irá aparecer na coluna “Foi aceito?”. Nesse caso, o RT deverá avaliar os motivos da recusa, que estarão listados abaixo do XML. Na hipótese de que o XML seja recusado por motivo indevido, deve-se entrar em contato imediatamente com a Anvisa, caso o erro não se justifique.
Na hipótese de recusa do XML, o RT deverá avaliar se o(s) motivo(s) de recusa estão corretos ou se pode se tratar de erro. A título de exemplo, são motivos legítimos (não configuram erros do sistema) de recusa de XML-Movimentação: tentativa de saída em medicamento que não consta em estoque (sem entrada), tentativa de saída de uma quantidade de determinado medicamento superior à quantidade do estoque, preenchimento incorreto do lote, erros na validade da receita por vinculação indevida à classe terapêutica (1 – antimicrobiano e 2 – controlado), erros de preenchimento no CID 10, tentativa de transferência entre empresas de CNPJ diferentes, datas descontínuas entre arquivos XML, registro MS ou DCB incorretos, dentre outros.

É importante atentar para o período de intervalo entre o envio do XML e o preenchimento das colunas “Data Validação” e “Foi aceito?”, de forma que não deve ser superior a 24h.

Por fim, neste teste, deve-se validar também o quantitativo disponibilizado por meio da funcionalidade “Histórico de Movimentação” para cada registro MS escriturado nos XML enviados, validados e aceitos. Os relatórios dessa funcionalidade deverão apresentar as entradas e saídas de forma correta, registrando apenas o que foi inserido em XML-Movimentação validado e aceito. As movimentações inseridas em XML recusados não devem estar presentes nos relatórios da funcionalidade “Histórico de Movimentação”.

Caso ocorra recusa de XML-Movimentação, com registro das movimentações, deve-se entrar em contato imediatamente com a Anvisa.

Exemplos de casos de erros a serem reportados à Anvisa: indisponibilidade no login do RT, indisponibilidade no login do RL, ausência da funcionalidade “Enviar arquivo”, Hash-Identificação duplicado na funcionalidade “Status de Transmissão”, recusas indevidas de arquivo XML, lentidão na validação de um arquivo, recusa de XML com registro das movimentações informadas, erros de contagem dos quantitativos nas funcionalidades “Histórico de inventários” e “Histórico de Movimentação”.

Para Ler o documento completo com todas as informações da Anvisa, acesse aqui. 

 

Conclusão

O relançamento da versão de testes do SNGPC pela Anvisa em 2024 marca um avanço significativo na gestão de medicamentos controlados no Brasil. Com inovações tecnológicas e melhorias operacionais, o novo sistema promete aumentar a eficiência e a segurança no controle desses produtos, beneficiando farmácias, órgãos de fiscalização e, principalmente, a população. Esta atualização reafirma o compromisso da Anvisa em manter-se na vanguarda da tecnologia e da segurança sanitária, garantindo um serviço cada vez mais eficaz e confiável.

Conheça a Solução SNGPC da CMA Sistemas:

O Software da CMA Sistemas permite que sua farmácia ou drogaria possa utilizar este recurso de forma simples e descomplicada, atendendo todas as demandas da Anvisa. Saiba Mais.

Cláudio Ferreira
Últimos posts por Cláudio Ferreira (exibir todos)

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − oito =

SNGPC Remoto

Categorias

Veja Também

finalizar inventário SNGPC

SNGPC Anvisa – finalizar inventário

O Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC) é uma plataforma eletrônica essencial, desenvolvida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para monitorar e controlar a movimentação de medicamentos sujeitos a controle especial no

Certificado de Transmissão Regular

Como imprimir o Certificado de Transmissão Regular

A gestão eficiente dos produtos controlados é essencial para farmácias e drogarias no Brasil. O Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC), administrado pela ANVISA, é uma ferramenta fundamental para garantir que todas as

SNGPC para antimicrobianos

O Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC) da ANVISA é uma ferramenta indispensável para a gestão de medicamentos sujeitos a controle especial no Brasil. Com a recente inclusão dos antimicrobianos nesse sistema, tornou-se